MEO MARÉS VIVAS

Publicado em 27 Maio, 2014 Por...Jorge Silva Medeiros » Multimédia
sdg
No Festival Meo Marés Vivas 2014 as portas do recinto não se fecham com o fim dos concertos no Palco Meo.
Nos três dias do festival (17, 18 e 19 de Julho), a Moche Room promete dar ainda muita música aos nossos festivaleiros, entre as 2 e as 6 horas da manhã.
Cartaz Moche Room
SLIMCUTZ

É seguro dizer que Dj SlimCutz já recebeu o cinturão negro do Djing. Depois de se sagrar 2x campeão do DMC PT na categoria individual, entrou recentemente nas competições na categoria de equipas, com o seu grupo. E voilá, também se tornou campeão nessa classe. No DMC. E no IDA.

Mas ele não anda cá (só) pelos títulos. Com mais de 80 datas por ano, Portugal já conhece o seu nome. Ou como se diz por aí, “sabes que é ele pelo rasto de pistas destruídas”. Literalmente. Porque as pessoas têm uma tendência a saltar e a dançar com tanta força durante os seus sets que os donos dos clubes estão-se a começar a habituar à ideia de terem que substituir os seus pisos regularmente.

Esteja ele a tocar em casas cheias ou em festivais ao ar livre, é fácil encontrá-lo a partilhar a cabine com nomes como Flux Pavilion, Doctor P, Skream, Emalkay, Delta Heavy, Borgore, Pharoahe Monch, M.O.P, Beatnuts, The Alchemist, Oh No, GrandMaster Flash, X-Ecutioners, Beat Torrent e muitos outros. Até os Mind da Gap, provavelmente a mais lendária banda de Hip-Hop em Portugal, o convidaram para ser o seu Dj oficial.
Para terminar, é de referir o seu papel enquanto parte do colectivo musical e artístico Monster JInx, uma referência nortenha de independência e autonomia dentro dos meios culturais nacionais.
Tudo isto, aos 22 anos. E se os seus sets ao vivo continuarem a evoluir para performances cada vez mais arrojadas e cerebrais, não há como saber onde é que ele vai parar.
Ah, já para não dizer que, também é o maior a cozinhar com uma Bimby..”

ACE (MIND DA GAP)
Membro fundador de uma das bandas pioneiras do Hip-Hop nacional, os Mind Da Gap. Uma referência como MC, com um curriculo invejavel. Para além dos álbuns lançados com os MDG, lançou também um álbum a solo em 2003 (Intensamente) de onde se retirou um single com bastante sucesso: “Côr de Laranja”. Voz de alguns dos refroes mais cantados e de algumas das rimas mais rebobinadas do rap tuga.

DJ D-ONE
Em meados de 2001 D-One inicia a sua carreira musical, hoje é um dos mais proeminentes DJ’s e produtores de Hip-Hop Nacional que vem fazendo literalmente, bastante barulho de norte a sul de Portugal, sempre com sonoridade urbanas que oscilam entre o Hip-Hop, Ragga e o R&B com suas influencias sonoras passam por desde os clássicos da “Golden Age” da musica urbana até às sonoridades mais “New School” e electrónicas, animando sempre a pista sem quaisquer preconceitos musicais.
É o produtor e DJ oficial de projectos de enorme sucesso como Capicua e Deau.

BAILE TRANQUILO – JOÃO DINIS e ANGELO B
Representada ao longo de inúmeras edições por vários projectos de referência, entre eles: Marcelinho da Lua, Fernanda Porto, Bossacucanova, Mo´Horizons, Drumagick, Dj Farrapo, o “Baile Tranquilo” encontra nas sonoridades alternativas a sua banda sonora. Reggae, Ska, Hip Hop, Drum&Bass e Dubstep, são alguns dos estilos que percorrem o universo musical

Nesta edição de Verão (especial Marés Vivas) a missão é da responsabilidade dos suspeitos do costume: João Dinis & Ratusfari que convidam diretamente do Rio de Janeiro/Brasil, o MC Angelo B, músico de projetos como Gabriel o Pensador, Marcelinho da Lua e Kizomba.
Se bailar, baile com moderação, baile tranquilo!

JOÃO DINIS – “Sempre alerta a`s raridades e novidades do balanc¸o mundial e acompanhado do “Long Play” (em quantidades sempre superiores ao recomenda´vel), este colecionador de grooves vai da modernidade a` raiz, desfilando um reperto´rio fino e de alto astral que reflecte mais de uma de´cada de estrada.
As aventuras no Brasil e um pouco pela Europa renderam para o seu reperto´rio muitas aquisic¸o~es da mais alta malandragem, contribuindo para um arquivo extenso que reu´ne va´rias reli´quias das mais diversas sonoridades.
Posso afirmar que a sua mu´sica e´ garantia de festa boa, pista cheia e a sensac¸a~o que na~o sai´mos de casa so´ para danc¸ar, mas acima de tudo, para aprender algo de novo sobre o novo, o velho que faz o novo, e entender que no mesmo momento e´ possi´vel curtir o jazz, a bossa, o samba, o reggae, dub, ska, o funk, boogaloo, afrobeat, drum&bass e muito, muito mais
“.
Tudo isso e´ sino´nimo de Joao Dinis, e e´ autentico. {Texto: Marcelinho da Lua}

MC ANGELO B (BRASIL) – Mestre de cerimónias nato, talento que já o levou a apresentações ao lado de artistas como Marky, Patife, Marcelinho da Lua, Adam F e Andy, entre muitos outros. Angelo também faz parte da banda do Gabriel o Pensador, cantando e tocando baixo. Nos shows, invariavelmente arrepia as plateias quando empresta a voz as versão que Marcelinho Dalua para inúmeras regravações. Naturalmente não para por ai,no bloco Quizomba do circo voador é um dos cantores e interpreta sambas, alem de vários sucessos de compositores consagrados da MPB,tais como Lenine,Chico Science,Gil,Seu Jorge Marcelo D2, Planet Hemp ,e por ai vai…

RATUSFARI
Tem a música como a sua casa, amante dos ritmos quentes e frenéticos e grande entusiasta enquanto MC. Ratusfari já teve o privilégio e a responsabilidade de subir aos maiores palcos do nosso país, como um dos vocalistas da banda Souls of Fire. É também um dos membros dos Youth Culture Sound System e parte activa da produtora 1*Linha. A sua energia contagiante aliada a um rico vocabulário fazem dele um artista singular, capaz de entreter gregos e troianos, está sempre pronto para a festa.

DJ RIDE
DJ Ride é muitas coisas. É metade dos Beatbombers com Stereossauro. É campeão do mundo de scratch. É detentor de seis títulos de campeão a nível nacional. É um nerd do scratch, um DJ com capacidade para rockar festas sejam elas de que tamanho forem. É sound designer e produtor com vários eps e dois álbuns no currículo e mais um – Life in Loops – a caminho. É um digger dedicado, como muito bem o demonstra o documentário Discos Perdidos. É um pioneiro, facto que pode ser justificado, por exemplo, com o seu espetáculo Pixel Trasher. Ride é, mesmo, muitas coisas. Mas basta uma para o definir da forma mais profunda e mais simples possível: Ride é um apaixonado por música.
Com os skills correntemente ao rubro, fruto de uma incansável vida na estrada que o leva a contabilizar centenas de gigs por ano, em clubes e festivais, de Lisboa a Londres, da Sérvia à Polónia, de Ibiza a França, DJ Ride demonstra igualmente uma enorme generosidade e abertura no que à música diz respeito: dubstep, hip hop, drum n’ bass, eletrónica dos mais diferentes recortes. Nenhum território é deixado inexplorado pela natural curiosidade de DJ Ride. A recomp’ensa tem chegado de muitas formas, com convites para os mais conceituados festivais e clubes e com a partilha de palcos e cartazes com referências como Q-Bert, Gaslamp Killer, Dam-Funk, A-Trak, Flying Lotus, Steve Aoki ou Moderat. E é com nomes dessa dimensão que Ride está verdadeiramente entre os seus pares.
Tudo isto tem valido a Ride um reconhecimento por que qualquer DJ anseia: o de que é igualmente um músico. Convites para tocar com músicos tão distintos como André Fernandes ou Legendary Tiger Man, para remisturar bandas como Balla, Micro Audio Waves ou artistas como Kika Santos são justa conta do alcance da sua visão musical. O nome de Ride já não é, por isso mesmo, estranho na imprensa, na tv, na rádio ou na web. É uma certeza.
O mais recente capítulo desta autêntica saga é Life In Loops (2012), um álbum carregado de surpresas que confirmou Ride como sinónimo de talento, qualidade, inovação e espírito de aventura, valores que devem ser sempre procurados na música e que o homem de Psychedelic Soundwaves e Turntable Food nunca perdeu de vista. A solo ou com os Beatbombers, num clube ou no estúdio, Ride tem pautado a sua carreira por um desejo se ir mais longe, de desbravar caminho, de inventar o próximo groove que abalará as frequências dos sistemas de som. Quer estejam instalados num clube, no palco de um festival à frente de milhares ou nos teus auscultadores.

PIPA AFONSO

DJ PIPA AFONSO foi a DJ revelação do FESTIVAL MEO MARÉS VIVAS 2013.

PIPA AFONSO, nome artístico de Filipa Afonso.
Este projecto surgiu em finais de Fevereiro, inícios de Março, de 2013, fruto de um gosto irreverente pela música, o objectivo é colocar toda a gente a dançar e animar qualquer boa noite de festa.
Pipa Afonso adora festas, boa música, e nada melhor do que poder contribuir para algo que lhe dá prazer


Editor de música Jorge Medeiros tenta saber e dizer algo sobre cultura do Mundo. Vive principalmente de radio e da sua fina cabeça, também da internet e do seu site de musica.

Comentários fechados