Juan Carmona Septeto um dos mais criativos guitarristas da nova geração do flamenco

Publicado em 13 Julho, 2014 Por...Mafalda Matos » Musica

O célebre Juan Carmona Septeto o guitarrista e compositor é um dos grandes nomes do flamenco actual. A sua música lida ao mesmo tempo com a continuidade da modernidade musical e com a tradição do flamenco de Jerez, uma das mais vivas da Andaluzia. Os seus três últimos discos, Orillas, Sinfonía Flamenca e El Sentido delAire, foram nomeados para os Prémios Grammy Latinos na categoria de “Melhor disco de flamenco do ano” em in 2003, 2006 e 2010. Um concerto verdadeiramente imperdível.
O seu nome é Carmona, como os seus primos afastados da dinastia Habichuelas de Granada, todos os guitarristas. Em 1963, um ano após o exílio, nascia em Lyon, França. Juan Carmona tinha apenas 10 anos quando o seu pai lhe deu a sua primeira guitarra. O seu virtuosismo tornou-se rapidamente evidente para músicos profissionais e foi apenas uma questão de tempo até começar a granjear aclamação internacional.
Juan Carmona rapidamente sentiu o desejo de regressar à terra dos seus antepassados, para voltar às suas raízes e beber de novo da primavera da família – Jerez de la Frontera, na Andaluzia – com um desafio pessoal: reviver o reconhecimento da originalidade da sua arte na cidade considerada como o berço do flamenco. E a aposta foi ganha. Por mais de oito anos, ombreou e acompanhou os maiores nomes do flamenco, ao mesmo tempo que imergia ele próprio nos seus talentos: os cantores Agujetas, Duquende, Terremoto Hijo, Capuyo de Jerez, Rubichi, Antonio e Manuel Malenas, Jesus Monje (irmão de Camaron de la Isla), Jose Mendez…; os bailarinos Joaquín Grilo, Maria del Mar Moreno, Ana Parilla, Angelita e Joselito Vargas, Joselito Fernandez. Juan Carmona também gravou com Chano Dominguez, Rubem Dantas, Manolito Soler, Tino di Geraldo…
Em 1988, foi-lhe atribuído o primeiro prémio na Competição Internacional de Jerez de la Frontera, e foi um dos finalistas na Union and Córdoba Guitar Competition. Em 1989, obteve um diploma da Fundação Jerez Flamenco, pelas mãos do guitarrista Manolo Sanlucar. Em 1990, venceu o Prémio Villa Médicis Hors Les Murs, o troféu Don Antonio Chacon atribuído pela sua “peña flamenca”, e em 1992 o prémio Lavoisier. Em 1994, atingiu finalmente o derradeiro prémio: Primeiro Prémio na competição Madrid Paco de Lucia.
Para além das suas muitas conquistas em concerto, prémios e relações no mundo da guitarra, este cigano nascido em França acrescentou mais uma distinção de permanente triunfo em Espanha, em particular em Andaluzia, onde criou uma convulsão no mundo do flamenco. A sua estadia na Espanha deu à luz a sua gravação Borboreo, em homenagem à cidade de Jerez, sob direcção artística de Isidro Muñoz.
Desde o seu regresso a França, em 1996, Juan Carmona conheceu uma interminável série de gravações e compromissos para concertos. Depois de ter trabalhado com uma fabulosa série de músicos que representam uma vasta palete de géneros musicais: Mino Cinelu, Birili Lagren, Larry Corriel, Babik Rheinhart, Philip Catherin, Christian Escoudé, Raphael Fays… para mencionar apenas alguns exemplos na área do jazz; Subramanian na música indiana, o cantor Matlubeth (Uzbequistão); e de ter participado em inúmeras bandas-sonoras de filmes, (La belle Histoire, Cuisines et Dépendances, Sables Mouvants), Juan Carmona criou o seu próprio grupo: o Juan Carmona Grupo, em espectáculos pela França e no estrangeiro, conseguiu assim uma carreira internacional: E.U.A., Alemanha, Itália, Inglaterra, Marrocos, Rússia, Holanda, Hungria… além de performances nos principais festivais musicais tais como o Montreal Jazz Festival (07) e o Festival Jazz à Vienne (07). Dedicaram-lhe um programa no canal franco-alemão Arte em Outubro de 1998, apresentado pelo maestro Lord Yehudi Menuhin, que considerou Juan Carmona como um guitarrista fantástico.
Após o lançamento de discos de sucesso como Caminos Nuevos (2000) e Orillas
(2003 – nomeado nos Latin Grammy Awards, categoria de melhor álbum flamenco), Juan Carmona lançou a Fevereiro de 2006 o seu novo álbum Sinfonia Flamenca (Harmonia Mundi / Le Chant du Monde) assinado pelo Juan Carmona Grupo e por orquestras mundiais tal como a Russian Philarmony, a St-Louis Symphonic Orchestra (Estados Unidos da América), a Norwegian Radio Orchestra, a Lyon National Orchestra…
Juan Carmona tem-se revelado inegavelmente um dos mais criativos guitarristas da nova geração do flamenco. Este executante tem uma qualidade surpreendente, tocante. Algures entre a profunda consciência dos géneros musicais, estilos tradicionais uma incrível modernidade, Juan Carmona ergue-se como um inovador. O seu novo disco, Alchemya (2013), é um verdadeiro auto-retrato musical.

 

Comentários fechados